Newsletter Compreingressos

Seja o primeiro a conhecer nossa programação de espetáculos, novidades, promoções e ofertas exclusivas

seu estado

  • AC
  • AL
  • AP
  • AM
  • BA
  • CE
  • DF
  • ES
  • GO
  • MA
  • MT
  • MS
  • MG
  • PR
  • PB
  • PR
  • PE
  • PI
  • RJ
  • RN
  • RS
  • RO
  • RR
  • SC
  • SP
  • SE
  • TO
cadastrar
Cidade
Gênero
X
Comédia 12 90 min R$ 120,00

Miguel Falabella em
“GOD”

Endereço

Avenida Contorno, 63
Setor Central - Goiânia - GO

ver google maps

Compre pelo telefone de segunda a sábado das 11h às 19h

(62) 4052-0016

Temporada

Sexta 22h | Sábado 21h e 18h

23 a 24 de Junho de 2017

Ingressos

R$ 120,00

Promoção Itaucard

50% de desconto para clientes Itaucard.

Promoção pessoal e intransferível para o titular do cartão na compra de um ingresso inteiro. Válido somente para 1 apresentação do espetáculo, mediante pagamento com cartões participantes da promoção.

Descontos

50% para pessoas de idade igual ou superior a 60 anos.
50% para estudantes.

Valores

R$ 120,00 inteira
R$ 60,00 meia

Ficha Técnica

Texto: David Javerbaum
Versão Brasileira e direção: Miguel Falabella
Codireção: Fernanda Chamma
Produção Geral: Sandro Chaim
Cenário e Figurino: Marco Pacheco
Iluminação: Adriana Ortiz
Trilha Sonora: Leandro Lapagesse
Visagismo: Dicko Lourenço
Elenco: Miguel Falabella, Elder Gattely e Magno Bandarz
Voz em off Deus: Bruno Garcia

Transportadora Oficial: Avianca
Promoção: Globo
Realização: Aveia Cômica e Chaim Produções
Assessoria de Imprensa: Mattoni Comunicação

“GOD”

Aclamada comédia da Broadway, com versão brasileira, dirigida e estrelada por Miguel Falabella


Quando alguma coisa está errada, pode confiar: Deus toma as devidas providências. E dessa vez, o Todo-Poderoso, Rei do Universo, autor do espaço e do tempo decide vir à Terra pessoalmente... ou quase isso. Cansado dos Dez Mandamentos e de toda a incerteza que eles vêm gerando à humanidade, o criador toma forma através de Miguel Falabella para propor novas leis e esclarecer qualquer mal-entendido a seu respeito.
No espetáculo, ele e seus dois arcanjos dedicados, Miguel (Magno Bandarz) e Gabriel (Elder Gattely), respondem a algumas das questões mais profundas que têm atormentado a humanidade desde a Criação, em apenas 90 minutos. De uma forma muito particular, o Deus de Falabella vem para arrancar muitas risadas do público e desvendar os maiores segredos do universo ou, pelo menos, do Brasil. Afinal, Deus não é brasileiro?
De David Javerbaum, vencedor de Emmy Award Winner, o aclamado e premiado “GOD” fez um enorme sucesso na Broadway, sendo definido pelo jornal The New York Times como “delirantemente, divinamente engraçado". No Brasil, o espetáculo chega ao público pelas mãos de Miguel Falabella que, além de interpretar o personagem principal, assina a versão brasileira e a direção.
O altíssimo vem aos seus em uma versão bem mais “moderninha”, com direito à Bíblia em formato iPad, sabendo tudo sobre corte de gordura trans e glúten, e sem paciência para política. Dentre os mandamentos repaginados, estão “Honrarás teus filhos”, “Separar-me-ás do Estado” e “Não me dirás o que devo fazer” – todos peculiarmente muito bem explicados e fundamentados.
Depois de passar por Niterói, Belo Horizonte, Curitiba, Campinas, Brasília e Porto Alegre, sendo sucesso absoluto de público, “GOD” fez sua estreia oficial e primeira grande temporada na cidade de São Paulo. A codireção é de Fernanda Chamma.







Bastidores
Desde que assistiu a “GOD” em sua versão original na Broadway, em Nova Iorque, Miguel Falabella soube que precisava trazer o espetáculo para o Brasil. O diretor ainda conferiu a versão apresentada em Portugal, estrelada por um grande amigo, antes de assinar os papeis e começar a trabalhar na adaptação brasileira.
A montagem e os ensaios aconteceram durante um mês, em São Paulo. Nesse período, Miguel se dedicou à grande quantidade de texto do personagem principal, interpretado por ele, e também a todo trabalho corporal.
Ao seu lado, esteve a coreógrafa Fernanda Chamma, que assina a codireção do espetáculo. Ela conta que recebeu com alegria o convite do diretor para essa função e que, por trabalhar há muito tempo com Falabella, os dois já têm uma grande sintonia: “São praticamente dez anos juntos. Já trabalhamos em muitos musicais, seriado e novela. A gente tem um mesmo olhar para colocar um espetáculo em cena, o nosso gosto bate. Ele me permite criar e respeita a opinião dos parceiros de criação. A gente aprende a cada dia, além de se divertir muito”.
Unindo a codireção à coreografia e movimentação de cena, Fernanda dedicou especial atenção à construção dos personagens Miguel (Magno Bandarz) e Gabriel (Elder Gattely) – os anjos que estão ao lado de Deus durante toda a peça. “Esse trabalho corporal é um diferencial da adaptação brasileira. Eu quis fazer com que o corpo desses atores se transformassem em símbolos de imagens de anjos. Os detalhes de pescoço, cabeça, mãos e cotovelos tornam-se vivos para poder dar o texto de cada um, ditar os mandamentos e fazer a ponte com o Falabella. São posições bonitas, desenhadas”, detalha a codiretora.
O cenário de Marco Pacheco traz para o palco a atmosfera celestial, com inspiração nos deuses gregos e presença de elementos como o mármore branco e as colunas jônicas. “O principal objetivo era criar uma alusão de Deus descendo do Céu à Terra, por isso a ideia da escada alta com degraus diminuindo de acordo com a altura, para criar uma profundidade. Também criamos um sofá largo e confortável para que ‘Deus’ ficasse à vontade conversando com o público”, explica o cenógrafo.
No figurino, também assinado por Marco, a inspiração para as roupas de Miguel e Gabriel veio das pinturas clássicas, onde os anjos vestiam armaduras celestiais. E não faltou a elas o lado moderno: “A armadura e as asas são fixas para facilitar a locomoção e principalmente o conforto dos anjos. A calça é de resina e eles usam tênis com aplicação de spikes. Esse figurino ficou pronto antes dos ensaios para que os atores se adaptassem à roupa e pudessem replicar a coreografia da Fernanda Chamma”, justifica Pacheco. Já o figurino de Deus o coloca no lugar completamente atual em que ele quer estar: “Esse Deus é um Deus descolado, que gosta de luzes e brilho, por isso o terno dele tem um corte moderno, diferente dos tradicionais. A gravata azul entra na paleta do cenário e relembra as cores do céu”, acrescenta.

*Sinopse sob total responsabilidade da produção do evento.

Comédia 12 90 min

Miguel Falabella em “GOD”

Teatro Madre Esperança Garrido

Setor Central - Goiânia - GO

“GOD”

Aclamada comédia da Broadway, com versão brasileira, dirigida e estrelada por Miguel Falabella


Quando alguma coisa está errada, pode confiar: Deus toma as devidas providências. E dessa vez, o Todo-Poderoso, Rei do Universo, autor do espaço e do tempo decide vir à Terra pessoalmente... ou quase isso. Cansado dos Dez Mandamentos e de toda a incerteza que eles vêm gerando à humanidade, o criador toma forma através de Miguel Falabella para propor novas leis e esclarecer qualquer mal-entendido a seu respeito.
No espetáculo, ele e seus dois arcanjos dedicados, Miguel (Magno Bandarz) e Gabriel (Elder Gattely), respondem a algumas das questões mais profundas que têm atormentado a humanidade desde a Criação, em apenas 90 minutos. De uma forma muito particular, o Deus de Falabella vem para arrancar muitas risadas do público e desvendar os maiores segredos do universo ou, pelo menos, do Brasil. Afinal, Deus não é brasileiro?
De David Javerbaum, vencedor de Emmy Award Winner, o aclamado e premiado “GOD” fez um enorme sucesso na Broadway, sendo definido pelo jornal The New York Times como “delirantemente, divinamente engraçado". No Brasil, o espetáculo chega ao público pelas mãos de Miguel Falabella que, além de interpretar o personagem principal, assina a versão brasileira e a direção.
O altíssimo vem aos seus em uma versão bem mais “moderninha”, com direito à Bíblia em formato iPad, sabendo tudo sobre corte de gordura trans e glúten, e sem paciência para política. Dentre os mandamentos repaginados, estão “Honrarás teus filhos”, “Separar-me-ás do Estado” e “Não me dirás o que devo fazer” – todos peculiarmente muito bem explicados e fundamentados.
Depois de passar por Niterói, Belo Horizonte, Curitiba, Campinas, Brasília e Porto Alegre, sendo sucesso absoluto de público, “GOD” fez sua estreia oficial e primeira grande temporada na cidade de São Paulo. A codireção é de Fernanda Chamma.







Bastidores
Desde que assistiu a “GOD” em sua versão original na Broadway, em Nova Iorque, Miguel Falabella soube que precisava trazer o espetáculo para o Brasil. O diretor ainda conferiu a versão apresentada em Portugal, estrelada por um grande amigo, antes de assinar os papeis e começar a trabalhar na adaptação brasileira.
A montagem e os ensaios aconteceram durante um mês, em São Paulo. Nesse período, Miguel se dedicou à grande quantidade de texto do personagem principal, interpretado por ele, e também a todo trabalho corporal.
Ao seu lado, esteve a coreógrafa Fernanda Chamma, que assina a codireção do espetáculo. Ela conta que recebeu com alegria o convite do diretor para essa função e que, por trabalhar há muito tempo com Falabella, os dois já têm uma grande sintonia: “São praticamente dez anos juntos. Já trabalhamos em muitos musicais, seriado e novela. A gente tem um mesmo olhar para colocar um espetáculo em cena, o nosso gosto bate. Ele me permite criar e respeita a opinião dos parceiros de criação. A gente aprende a cada dia, além de se divertir muito”.
Unindo a codireção à coreografia e movimentação de cena, Fernanda dedicou especial atenção à construção dos personagens Miguel (Magno Bandarz) e Gabriel (Elder Gattely) – os anjos que estão ao lado de Deus durante toda a peça. “Esse trabalho corporal é um diferencial da adaptação brasileira. Eu quis fazer com que o corpo desses atores se transformassem em símbolos de imagens de anjos. Os detalhes de pescoço, cabeça, mãos e cotovelos tornam-se vivos para poder dar o texto de cada um, ditar os mandamentos e fazer a ponte com o Falabella. São posições bonitas, desenhadas”, detalha a codiretora.
O cenário de Marco Pacheco traz para o palco a atmosfera celestial, com inspiração nos deuses gregos e presença de elementos como o mármore branco e as colunas jônicas. “O principal objetivo era criar uma alusão de Deus descendo do Céu à Terra, por isso a ideia da escada alta com degraus diminuindo de acordo com a altura, para criar uma profundidade. Também criamos um sofá largo e confortável para que ‘Deus’ ficasse à vontade conversando com o público”, explica o cenógrafo.
No figurino, também assinado por Marco, a inspiração para as roupas de Miguel e Gabriel veio das pinturas clássicas, onde os anjos vestiam armaduras celestiais. E não faltou a elas o lado moderno: “A armadura e as asas são fixas para facilitar a locomoção e principalmente o conforto dos anjos. A calça é de resina e eles usam tênis com aplicação de spikes. Esse figurino ficou pronto antes dos ensaios para que os atores se adaptassem à roupa e pudessem replicar a coreografia da Fernanda Chamma”, justifica Pacheco. Já o figurino de Deus o coloca no lugar completamente atual em que ele quer estar: “Esse Deus é um Deus descolado, que gosta de luzes e brilho, por isso o terno dele tem um corte moderno, diferente dos tradicionais. A gravata azul entra na paleta do cenário e relembra as cores do céu”, acrescenta.