Newsletter Compreingressos

Seja o primeiro a conhecer nossa programação de espetáculos, novidades, promoções e ofertas exclusivas

seu estado

  • AC
  • AL
  • AP
  • AM
  • BA
  • CE
  • DF
  • ES
  • GO
  • MA
  • MT
  • MS
  • MG
  • PA
  • PB
  • PR
  • PE
  • PI
  • RJ
  • RN
  • RS
  • RO
  • RR
  • SC
  • SP
  • SE
  • TO
cadastrar
Cidade
Gênero
X
Comédia Romântica 12 60 min De R$ 20,00 a R$ 40,00

Vidros Arriados

Endereço

Praça Franklin Roosvelt, 158
Centro - São Paulo - SP

ver google maps

Temporada

Quartas e Quintas as 21h00

02 de Maio a 28 de Junho de 2018

Ingressos

De R$ 20,00 a R$ 40,00

Descontos

50% para pessoas de idade igual ou superior a 60 anos.
50% para estudantes.

Valores

R$ 40,00 inteira
R$ 20,00 meia

Ficha Técnica

Dramaturgia e Atuação: Antonio Ranieri
Direção: Marcio Macena
Ator Convidado: Rogério Mendes
Músico: Pietro Leal
Direção de Arte: Marcio Macena
Assistência de Direção: Rodrigo Risone
Iluminação: Cesar Pivetti e Vânia Jaconis
Mídias Sociais: Marcos Oliveira Amorim Tolentino
Técnico de Luz: Cesar Pivetti
Fotos: Caio Oivedo
Programação Visual: Fábio Soares
Assessoria de Imprensa: Morente Forte
Produção Executiva: Elder Sereni e Verônica Bondezan
Direção de Produção: Antonio Ranieri
Realização: AR Produção Artísticas e A Minha Cia

Antonio Ranieri e Rogério Mendes

em

Direção Marcio Macena

Estreia dia 02 de Maio no Espaço dos Parlapatões

Vidros Arriados é o novo texto do dramaturgo Antonio Ranieri, que nos últimos anos se destaca no mercado também como produtor e diretor de cultura e comemora, com este trabalho, seus 20 anos de carreira. O texto tem como objetivo falar da pluralidade que há no substantivo AMOR. O sentimento em sua essência, sem barreiras, rótulos, julgamentos e muito menos quaisquer tipos de bandeira.

Luiz tem um anel de prata na mão direita, Mario uma aliança de ouro na mão esquerda. Dois Homens. Dois universos opostos e entre eles o destino, que salpicado de emoções e contrariedades, dão vida a esta comédia romântica. Mario e Luis, cada qual no seu mundo, vivem uma vida sem brilho, cansados do cotidiano sem afeto. De um lado, um homem com todas as características heterossexuais, um estereótipo de pai da família perfeita, mas que está insatisfeito. E do outro, um homem com todo o estereótipo gay em busca da família perfeita. São surpreendidos por olhares curiosos, gentilezas por demais e pelo destino que, fanfarrão, chega com novas perspectivas trazendo o mais bonito e simples sentimento, o Amor.

Na mesma perspectiva do romance, a encenação é constituída pelas dinâmicas cênicas e pelas camadas dramatúrgicas da visualidade teatral, refletidos no figurino e cenário. Assim segue esta sensível relação entre Mario e Luiz em uma convenção teatral que aproxima e inclui o público por meio de uma atmosfera intimista, de modo a instigar pela experiência estética afetiva, as memórias, sentimentos e sensações de vivências dos espectadores que acompanham a trajetória dos dois personagens.

Antonio Ranieri comenta: “não pretendo levantar bandeiras com essa encenação, mas brincar com os clichês da comédia romântica, falar dos estereótipos e do amor entre duas pessoas.”

Do alto do prédio, na varanda do apartamento de Luiz.
Luiz: O que você vê, quando daqui olha para o horizonte?
Mario: Eu vejo o entardecer, uma centena de prédios, e acho que vai chover. E você?
Luiz: Eu vejo um mar de possibilidades.
Amore, vc acha que esse texto acima é necessário?

Sobre Antonio Ranieri – Ator e Dramaturgo
Neste ano de 2018, completa 20 anos de carreira, em trabalhos como: professor de teatro, produtor de cultura, ator e dramaturgo. Autor de “PlusSizeLove”; “Estilhaços”, “Leão Coragem - O Muro Além do Medo”, “Dissensão”, “Borboletas não voam a noite”, “Os Barulhos dos Carros na Rua Molhada” e “Vidros Arriados”. Como diretores teve à frente de “Navalha na Carne”- Plínio Marcos; “A Dama do lotação”- Nelson Rodrigues; “Homem do Princípio ao Fim - Millor Fernandes, “Subterfúgio”- Wagner D’avilla;“32 Dentes”- Walner Danziger;“Antonio e Cleópatra”- Willian Shakespeare. Atuou nos espetáculos: “O Despertar da Primavera”–de Frank Wedekind e direção Nívio Diegues, “Otelo” de W. Shakespeare e direção Debora Dubois, “Dona Rosita – A Solteira” - de Federico Garcia Lorca e direção de Eraldo Pera Rizzo, “O Sete Gatinhos” de Nelson Rodrigues, com direção de Moisés Miatskowsky, entre outros. Como diretor de produção esteve à frente de grandes espetáculos, como: “Avalon” de Karen Acioly e Lucélia Santos; “E aí, Comeu?”, de Marcelo Rubens Paiva; “Rita Lee–O Musical” de Marcio Macena e Debora Dubois e o premiado espetáculo “Sobre Ratos e Homens” de John Steinbeck com direção de Kiko Marques. Hoje é diretor artístico da AR Produções Artísticas e dramaturgo/diretor geral do grupo “A Minha Cia”, dedicada a produção de dramaturgias nacionais.

*Sinopse sob total responsabilidade da produção do evento.

Vidros Arriados

Espaço Parlapatões

Centro - São Paulo - SP

Antonio Ranieri e Rogério Mendes

em

Direção Marcio Macena

Estreia dia 02 de Maio no Espaço dos Parlapatões

Vidros Arriados é o novo texto do dramaturgo Antonio Ranieri, que nos últimos anos se destaca no mercado também como produtor e diretor de cultura e comemora, com este trabalho, seus 20 anos de carreira. O texto tem como objetivo falar da pluralidade que há no substantivo AMOR. O sentimento em sua essência, sem barreiras, rótulos, julgamentos e muito menos quaisquer tipos de bandeira.

Luiz tem um anel de prata na mão direita, Mario uma aliança de ouro na mão esquerda. Dois Homens. Dois universos opostos e entre eles o destino, que salpicado de emoções e contrariedades, dão vida a esta comédia romântica. Mario e Luis, cada qual no seu mundo, vivem uma vida sem brilho, cansados do cotidiano sem afeto. De um lado, um homem com todas as características heterossexuais, um estereótipo de pai da família perfeita, mas que está insatisfeito. E do outro, um homem com todo o estereótipo gay em busca da família perfeita. São surpreendidos por olhares curiosos, gentilezas por demais e pelo destino que, fanfarrão, chega com novas perspectivas trazendo o mais bonito e simples sentimento, o Amor.

Na mesma perspectiva do romance, a encenação é constituída pelas dinâmicas cênicas e pelas camadas dramatúrgicas da visualidade teatral, refletidos no figurino e cenário. Assim segue esta sensível relação entre Mario e Luiz em uma convenção teatral que aproxima e inclui o público por meio de uma atmosfera intimista, de modo a instigar pela experiência estética afetiva, as memórias, sentimentos e sensações de vivências dos espectadores que acompanham a trajetória dos dois personagens.

Antonio Ranieri comenta: “não pretendo levantar bandeiras com essa encenação, mas brincar com os clichês da comédia romântica, falar dos estereótipos e do amor entre duas pessoas.”

Do alto do prédio, na varanda do apartamento de Luiz.
Luiz: O que você vê, quando daqui olha para o horizonte?
Mario: Eu vejo o entardecer, uma centena de prédios, e acho que vai chover. E você?
Luiz: Eu vejo um mar de possibilidades.
Amore, vc acha que esse texto acima é necessário?

Sobre Antonio Ranieri – Ator e Dramaturgo
Neste ano de 2018, completa 20 anos de carreira, em trabalhos como: professor de teatro, produtor de cultura, ator e dramaturgo. Autor de “PlusSizeLove”; “Estilhaços”, “Leão Coragem - O Muro Além do Medo”, “Dissensão”, “Borboletas não voam a noite”, “Os Barulhos dos Carros na Rua Molhada” e “Vidros Arriados”. Como diretores teve à frente de “Navalha na Carne”- Plínio Marcos; “A Dama do lotação”- Nelson Rodrigues; “Homem do Princípio ao Fim - Millor Fernandes, “Subterfúgio”- Wagner D’avilla;“32 Dentes”- Walner Danziger;“Antonio e Cleópatra”- Willian Shakespeare. Atuou nos espetáculos: “O Despertar da Primavera”–de Frank Wedekind e direção Nívio Diegues, “Otelo” de W. Shakespeare e direção Debora Dubois, “Dona Rosita – A Solteira” - de Federico Garcia Lorca e direção de Eraldo Pera Rizzo, “O Sete Gatinhos” de Nelson Rodrigues, com direção de Moisés Miatskowsky, entre outros. Como diretor de produção esteve à frente de grandes espetáculos, como: “Avalon” de Karen Acioly e Lucélia Santos; “E aí, Comeu?”, de Marcelo Rubens Paiva; “Rita Lee–O Musical” de Marcio Macena e Debora Dubois e o premiado espetáculo “Sobre Ratos e Homens” de John Steinbeck com direção de Kiko Marques. Hoje é diretor artístico da AR Produções Artísticas e dramaturgo/diretor geral do grupo “A Minha Cia”, dedicada a produção de dramaturgias nacionais.