Newsletter Compreingressos

Seja o primeiro a conhecer nossa programação de espetáculos, novidades, promoções e ofertas exclusivas

seu estado

  • AC
  • AL
  • AP
  • AM
  • BA
  • CE
  • DF
  • ES
  • GO
  • MA
  • MT
  • MS
  • MG
  • PA
  • PB
  • PR
  • PE
  • PI
  • RJ
  • RN
  • RS
  • RO
  • RR
  • SC
  • SP
  • SE
  • TO
cadastrar
Cidade
Gênero
X
Comédia 16 95 min R$ 20,00 a R$ 100,00

Doidas e Santas

Endereço

Praça Mal. Deodoro, s/n
Centro - Porto Alegre - RS

ver google maps

Temporada

Sábado 21h e Domingo 18h

18 a 20 de Novembro de 2016

Ingressos

R$ 20,00 a R$ 100,00

Descontos

50% para pessoas de idade igual ou superior a 60 anos.
50% para estudantes.

Valores

Plateia e Cadeira extra
R$ 100,00 inteira
R$ 50,00 meia

Camarote Central
R$ 90,00 inteira
R$ 45,00 meia

Camarote Lateral
R$ 80,00 inteira
R$ 40,00 meia

Galeria
R$ 40 inteira
R$ 20,00 meia

Ficha Técnica

Texto: Regiana Antonini
Direção: Ernesto Piccolo
Assistente de direção: João Velho
Elenco: Cissa Guimarães, Giusepe Oristanio e Josie Antello.
Direção Musical: Rodrigo Penna
Cenário: Sérgio Marimba
Iluminação: Jorginho de Carvalho
Figurino: Helena Araujo e Djalma Brilhante
Design Gráfico: Thomaz Velho
Op. de Luz: Vilmar Olos
Op. de Som: Thiago Silva
Dir. de Palco: Hildo de Assis
Contraregra: Elquires Souza
Camareiro: Cleiton Souza
Assistente de Produção: Mayara Maia
Produção executiva: Daniela Paita
Direção de Produção: Cássia Vilasbôas
Idealização do Projeto: Cissa Guimarães
Realização: NOVE Produções e BG produções

O espetáculo aclamado por público e crítica, foi visto por mais de 300 mil pessoas nos últimos cinco anos!

Estrelada por Cissa Guimarães, e com direção de Ernesto Piccolo, a peça é livremente inspirada no livro homônimo de Martha Medeiros.

Vista por mais de 300 mil pessoas entre Rio de Janeiro, São Paulo e mais de 22 cidades brasileiras a comédia romântica ‘Doidas e Santas’ se consagrou como um dos espetáculos de maior sucesso da cena teatral carioca. A montagem com texto de Regiana Antonini é livremente inspirado no livro homônimo de Martha Medeiros e a direção é de Ernesto Piccolo.
‘Doidas e Santas’ é um projeto idealizado por Cissa Guimarães e sua primeira produção em mais de 30 anos de carreira no teatro. A atriz sempre desejou levar à cena um trabalho que expressasse as inquietações da mulher moderna com relação à vida contemporânea, que exige conjugar marido, filhos, realização profissional e ainda beleza e bom humor. Cissa encontrou nos textos de Martha Medeiros a motivação para tocar seu projeto e, depois de conversar com a escritora, convidou o amigo de mais de 30 anos Ernesto Piccolo para dirigi-la. Piccolo é diretor de ‘Divã’, sucesso teatral de Lilia Cabral também adaptado de obra homônima de Martha Medeiros; e ainda da bem-sucedida ‘A História de Nós 2’.

O livro de Martha Medeiros é uma coletânea de crônicas independentes que forneceram a matéria-prima para Regiana Antonini construir a trama bem-humorada desta mulher moderna que identificamos a todo momento e em qualquer parte. Regiana acrescentou ainda à dramaturgia algumas histórias divertidas que ela mesma viveu, e que, por afinidade, poderiam muito bem ser encontradas no livro de Martha.

No palco, acompanhamos a trajetória de Beatriz (Cissa Guimarães), uma psicanalista em crise no casamento. Seu marido (Giuseppe Oristânio), é turrão e machista, e não tolera a ideia da separação. Fechando o elenco, temos “as mulheres da vida” de Beatriz: irmã, mãe e filha, personagens vividas pela atriz Josie Antello. O público vivencia alegrias, desilusões, neuroses da vida urbana, o prazer que se esconde no dia a dia, as relações amorosas e o poder transformador da coragem e do afeto.
O cenário é de Sérgio Marimba, a iluminação de Jorginho de Carvalho, a trilha sonora de Rodrigo Penna e os figurinos de Helena Araujo e Djalma Brilhante.

DESTAQUES DA CRÍTICA CARIOCA

“Fé na trama e no texto! O texto tem humor próprio resultando em um espetáculo divertido e ágil. Cissa expressa bem simplicidade e complexidade, alegria e tristeza, ingenuidade e sabedoria”
Bárbara Heliodora – Jornal O Globo

“Cissa Guimarães está muito convincente no papel principal, usando impostação de voz e movimentos corporais na medida certa. (...) Sem recorrer à caricatura, Josie Antello faz graça explorando peculiaridades nos modos de falar e nos gestos de cada uma das três personagens que representa”
Carlos Henrique Braz - Veja Rio

“O tema “separação” é bem explorado e provoca boas gargalhadas ... Além de encarar sua personagem com muita veracidade, Cissa exibe excelente forma física e cativa a plateia. Josie rege com maestria suas três personagens”
Adriana Lins - Revista Contigo

SINOPSE

A psicanalista Beatriz (Cissa Guimarães) vive uma crise. Embora no auge da carreira profissional, a vida pessoal anda um caos. Sua mãe, a extravagante dona Elda (Josie Antello), voltou a morar com ela e vive às turras com sua filha adolescente (também Josie Antello). E o marido Orlando (Giuseppe Oristânio), após vinte anos de casamento, está cada vez mais distante, mais surdo, mais mudo, mais morno, mais jogado no sofá. Um casamento acomodado e duas gerações em crise. Assim, não há “santa” que aguente, qualquer uma fica “doida”.
Durante uma visita da irmã caçula, a solteirona-não-tão-convicta-assim Berenice (ainda Josie Antello, numa impagável composição tríplice) tem uma conversa reveladora que faz com que Beatriz decida dar um basta. Separa-se de um inconformado Orlando e resolve abraçar os prazeres da vida e da juventude mais uma vez.
Sai para as noites, canta, dança, conhece um rapaz... Beatriz acha que preencheu o vazio, que botou a vida nos trilhos. Até que uma longa conversa com a mãe, sobre o passado e as esperanças para o futuro, faz reacender uma fagulha. Aponta a dorzinha da saudade. E a campainha toca...

*Sinopse sob total responsabilidade da produção do evento.

Comédia 16 95 min

Doidas e Santas

Theatro São Pedro

Centro - Porto Alegre - RS

O espetáculo aclamado por público e crítica, foi visto por mais de 300 mil pessoas nos últimos cinco anos!

Estrelada por Cissa Guimarães, e com direção de Ernesto Piccolo, a peça é livremente inspirada no livro homônimo de Martha Medeiros.

Vista por mais de 300 mil pessoas entre Rio de Janeiro, São Paulo e mais de 22 cidades brasileiras a comédia romântica ‘Doidas e Santas’ se consagrou como um dos espetáculos de maior sucesso da cena teatral carioca. A montagem com texto de Regiana Antonini é livremente inspirado no livro homônimo de Martha Medeiros e a direção é de Ernesto Piccolo.
‘Doidas e Santas’ é um projeto idealizado por Cissa Guimarães e sua primeira produção em mais de 30 anos de carreira no teatro. A atriz sempre desejou levar à cena um trabalho que expressasse as inquietações da mulher moderna com relação à vida contemporânea, que exige conjugar marido, filhos, realização profissional e ainda beleza e bom humor. Cissa encontrou nos textos de Martha Medeiros a motivação para tocar seu projeto e, depois de conversar com a escritora, convidou o amigo de mais de 30 anos Ernesto Piccolo para dirigi-la. Piccolo é diretor de ‘Divã’, sucesso teatral de Lilia Cabral também adaptado de obra homônima de Martha Medeiros; e ainda da bem-sucedida ‘A História de Nós 2’.

O livro de Martha Medeiros é uma coletânea de crônicas independentes que forneceram a matéria-prima para Regiana Antonini construir a trama bem-humorada desta mulher moderna que identificamos a todo momento e em qualquer parte. Regiana acrescentou ainda à dramaturgia algumas histórias divertidas que ela mesma viveu, e que, por afinidade, poderiam muito bem ser encontradas no livro de Martha.

No palco, acompanhamos a trajetória de Beatriz (Cissa Guimarães), uma psicanalista em crise no casamento. Seu marido (Giuseppe Oristânio), é turrão e machista, e não tolera a ideia da separação. Fechando o elenco, temos “as mulheres da vida” de Beatriz: irmã, mãe e filha, personagens vividas pela atriz Josie Antello. O público vivencia alegrias, desilusões, neuroses da vida urbana, o prazer que se esconde no dia a dia, as relações amorosas e o poder transformador da coragem e do afeto.
O cenário é de Sérgio Marimba, a iluminação de Jorginho de Carvalho, a trilha sonora de Rodrigo Penna e os figurinos de Helena Araujo e Djalma Brilhante.

DESTAQUES DA CRÍTICA CARIOCA

“Fé na trama e no texto! O texto tem humor próprio resultando em um espetáculo divertido e ágil. Cissa expressa bem simplicidade e complexidade, alegria e tristeza, ingenuidade e sabedoria”
Bárbara Heliodora – Jornal O Globo

“Cissa Guimarães está muito convincente no papel principal, usando impostação de voz e movimentos corporais na medida certa. (...) Sem recorrer à caricatura, Josie Antello faz graça explorando peculiaridades nos modos de falar e nos gestos de cada uma das três personagens que representa”
Carlos Henrique Braz - Veja Rio

“O tema “separação” é bem explorado e provoca boas gargalhadas ... Além de encarar sua personagem com muita veracidade, Cissa exibe excelente forma física e cativa a plateia. Josie rege com maestria suas três personagens”
Adriana Lins - Revista Contigo

SINOPSE

A psicanalista Beatriz (Cissa Guimarães) vive uma crise. Embora no auge da carreira profissional, a vida pessoal anda um caos. Sua mãe, a extravagante dona Elda (Josie Antello), voltou a morar com ela e vive às turras com sua filha adolescente (também Josie Antello). E o marido Orlando (Giuseppe Oristânio), após vinte anos de casamento, está cada vez mais distante, mais surdo, mais mudo, mais morno, mais jogado no sofá. Um casamento acomodado e duas gerações em crise. Assim, não há “santa” que aguente, qualquer uma fica “doida”.
Durante uma visita da irmã caçula, a solteirona-não-tão-convicta-assim Berenice (ainda Josie Antello, numa impagável composição tríplice) tem uma conversa reveladora que faz com que Beatriz decida dar um basta. Separa-se de um inconformado Orlando e resolve abraçar os prazeres da vida e da juventude mais uma vez.
Sai para as noites, canta, dança, conhece um rapaz... Beatriz acha que preencheu o vazio, que botou a vida nos trilhos. Até que uma longa conversa com a mãe, sobre o passado e as esperanças para o futuro, faz reacender uma fagulha. Aponta a dorzinha da saudade. E a campainha toca...